A perda da imagem do mundo: cidade e modernidade em Octavio Paz

A perda da imagem do mundo: cidade e modernidade em Octavio Paz

por Renato Cordeiro Gomes

Resumo

Leitura/interpretação do poema “Hablo de la cuidad”, do livro Árbol Adentro (1987), de Octavio Paz, considerando formulações teórico-críticas do próprio poeta, tais como a historicidade do poema e da leitura; o tempo moderno e seu caráter paradoxal; a tradição moderna da poesia; analogia e ironia; a perda da imagem do mundo, da imagem analógica do mundo. A abordagem destaca o poema enquanto lugar teórico que opera simultaneamente o ritmo, a imagem e o sentido, ao tematizar a legibilidade e a percepção da cidade moderna, o papel da imaginação e da memória na representação da experiência urbana no discurso do sujeito que fala, a mudança e a fragmentação como condições da consciência histórica, forte atributo da modernidade. A paixão crítica condiciona a linguagem que aponta para a resistência do poema à perda da imagem do mundo.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como citar este artigo
CORDEIRO GOMES, Renato . A perda da imagem do mundo: cidade e modernidade em Octavio Paz. O que nos faz pensar, [S.l.], v. 24, n. 37, p. 73-86, sep. 2015. ISSN 0104-6675. Disponível em: <http://www.oquenosfazpensar.fil.puc-rio.br/index.php/oqnfp/article/view/462>. Acesso em: 25 june 2017.
Seção
Artigos