Estética e comunidade: ocupar o inacabado

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Cezar Migliorin Érico Araújo Lima

Resumo

Tentamos aqui fazer algumas indagações a respeito da noção de estética, nos colocando à escuta de situações com dimensões heterogêneas. Somos provocados pelo mundo criado em meio às paredes vazadas de um prédio inacabado, ocupado por estudantes da Universidade Federal Fluminense; somos interpelados pela experiência de uma passeata em luta pela moradia, sob a repressão da polícia militar, abrigada pelas imagens e disponibilizada pela montagem do filme Na missão, com Kadu (2016), de Aiano Bemfica, Kadu Freitas e Pedro Maia de Brito. Na companhia dessas situações, traçamos algumas variações em torno do índice de indeterminação que o estado estético pode criar, como maneira de possibilitar a constante disputa pelo presente e por outras formas de habitar um espaço comum. Apontamos aqui algumas possíveis aproximações à noção de estética, considerada num paradoxal regime de autonomia e heteronomia com outras forças, contagiada pelo processo de elaboração de uma comunidade.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
MIGLIORIN, Cezar; ARAÚJO LIMA, Érico. Estética e comunidade: ocupar o inacabado. O que nos faz pensar, [S.l.], v. 26, n. 40, p. 203-221, june 2017. ISSN 0104-6675. Disponível em: <http://www.oquenosfazpensar.fil.puc-rio.br/index.php/oqnfp/article/view/558>. Acesso em: 10 dec. 2018.
Seção
Artigos