Fortuna: Drawing, Technology, Contingency

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Ed Krčma

Resumo

This article explores the relationship between drawing, technology and contingency in three artists' work since the late 1950s, to engage the relationship between forms of artistic labour, the autonomy of the studio, and the internalization of the techniques and tempos of the contemporary life world more broadly. Each artist hybridizes drawing with more modern technological modes: in his solvent transfer method Robert Rauschenberg brought drawing to the condition of collage and into direct contact with the contemporary printed mass media; William Kentridge’s ‘Drawings for Projection’ and his more recent ‘flip-book films’ engage with increasingly obsolete forms of visual communication to explore both the fraught recent history of South Africa and the potentials articulated in physical acts of making; and in her Motion Capture Drawings British artist Susan Morris employs biometric digital technology to generate lines directly from the unconscious movements of the body, measured over extended durations, in a contemporary form of surrealist automatism. While not wishing to propose too close an alignment between these three practices, this article explores the ways in which in each case automatic, contingent, non-conscious, or otherwise ‘dark’ aspects of drawing are brought into focus as drawing is aligned with other more recent technological forms. The implications of this contingent aspect – or fortuna – are examined in the context of the growing power of measurement, quantification and control to structure contemporary life more broadly.


FORTUNA: DESENHO, TECNOLOGIA, CONTIGÊNCIA


Este artigo explora a relação entre desenho, tecnologia e contingência no trabalho de três artistas desde o final da década de 1950, para envolver a relação entre as formas de trabalho artístico, a autonomia do estúdio e a internalização das técnicas e tempos do mundo da vida contemporânea mais amplamente. Cada artista hibrida o desenho com modos tecnológicos mais modernos: em seu método de transferência de solventes, Robert Rauschenberg trouxe o desenho para a condição de colagem e contato direto com os meios de comunicação impressos contemporâneos; Os "Desenhos para Projeção" de William Kentridge e seus mais recentes "filmes de folhetos" se engajam em formas de comunicação visual cada vez mais obsoletas para explorar a história recente e árdua da África do Sul e os potenciais articulados em atos físicos de fabricação; e em seus Motion Capture Drawings [desenhos de captura de movimento], a artista britânica Susan Morris emprega a tecnologia digital biométrica para gerar linhas diretamente dos movimentos inconscientes do corpo, medidos em durações prolongadas, em uma forma contemporânea de automatismo surrealista. Embora não deseje propor um alinhamento tão próximo entre essas três práticas, este artigo explora as maneiras pelas quais, em cada caso, os aspectos de desenho automáticos, contingentes, não conscientes ou de certa forma "escuros" são colocados em foco, enquanto o desenho é alinhado com outras formas tecnológicas mais recentes. As implicações deste aspecto contingente - ou fortuna - são examinadas no contexto do crescente poder de medição, quantificação e controle para estruturar a vida contemporânea de forma mais ampla.


---


Artigo em inglês.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
KRČMA, Ed. Fortuna: Drawing, Technology, Contingency. O que nos faz pensar, [S.l.], v. 26, n. 40, p. 135-166, june 2017. ISSN 0104-6675. Disponível em: <http://www.oquenosfazpensar.fil.puc-rio.br/index.php/oqnfp/article/view/559>. Acesso em: 10 dec. 2018.
Seção
Artigos