Godard ensaísta, Godard curador

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Pedro Duarte Luiz Camillo Osorio

Resumo

Os filmes de Jean-Luc Godard, por sua natureza reflexiva, ganham por vezes um caráter ensaístico e curatorial. Não se trata tanto de produzir imagens quanto de pensar sobre as imagens e de selecionar as imagens. Nas suas História(s) do cinema e em outros casos, as imagens nem sequer são filmadas por ele. São montadas por ele. Isso coloca, para os filmes, o desafio de relacionar as imagens entre si e de citá-las, como apontou Georges Didi-Huberman em Passados citados por J.L.G. O artigo caracteriza a forma pela qual Godard responde a esse desafio, apontando como ela encarna preceitos do crítico Walter Benjamin sobre a história e do escritor André Malraux sobre o museu.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
DUARTE, Pedro; OSORIO, Luiz Camillo. Godard ensaísta, Godard curador. O que nos faz pensar, [S.l.], v. 26, n. 40, p. 93-105, june 2017. ISSN 0104-6675. Disponível em: <http://www.oquenosfazpensar.fil.puc-rio.br/index.php/oqnfp/article/view/566>. Acesso em: 23 june 2018.
Seção
Artigos